A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

Pelo noticiário da TV você fica sabendo que a Bolsa de Valores de São Paulo fechou em queda de três pontos porque a Bolsa de Chiawg-Xui quebrou…

Surge na tela um comentarista que anuncia com dom profético: “a crise financeira chegará ao Brasil em maio de 2012, com sérias repercussões…”.

Na cama, antes de dormir, você fica imaginando como dirá à família que aquela esperada viagem nas férias foi cancelada. Afinal, se a crise se aproxima, é melhor fazer alguma economia!

Mesmo sem saber se a queda em três pontos na BOVESPA é algo importante; sem nunca ter ouvido falar sobre existência de Chiawg-Xui e desconfiar das informações daquele comentarista, você vai cancelar a viagem!

Assim somos nós: “do nada” formamos crenças e vivemos em função disso. Crença é uma condição psicológica onde acreditamos que uma situação é verdadeira, a despeito de não conhecermos sua procedência e não termos possibilidade de checar a sua veracidade. E o que é mais importante: você NÃO admite que a sua crença POSSA ser falsa e vive em função dela.

“Do nada” você acredita que é gorda, feia, burra e que nunca vai ser feliz…

“Do nada” você não consegue admitir que é a causadora de toda a sua própria infelicidade…

“Do nada” você tem certeza de que somente poderá ser feliz se encontrar alguém que a faça feliz….

Tais crenças surgem porque alguém te chamou de gorda ou de burra, e porque todos dizem que para ser feliz, tem de casar…

Você sequer consegue admitir que está repetindo a vida dos seus pais.

Sabe aquela pessoa que sempre encontra o companheiro errado? Aquele injustiçado que sempre é despedido porque o chefe o persegue? Aquele concurseiro que sempre tem “branco” na hora da prova?

Todos nós repetimos modelos que se transformam em crenças. Fazemos sem saber o porquê e nem percebemos que o fazemos. Os modelos formam as crenças, que formam os modelos, num movimento sem fim.

Tais crenças definem o modo como percebemos o mundo. Nossa compreensão, aceitação ou rejeição dos valores que dominam a sociedade é baseada nessas crenças e nesses modelos, que nos são impostos e que muitas vezes nos causam sofrimento.

Sempre que sentimos algum desprazer, arquivamos essa sensação no inconsciente. Aquela sensação se transforma numa energia que se soma a outras, tomando novas formas, que passam a ser a fonte das nossas crenças. Essa é a origem dos medos e preconceitos.

Freud revolucionou a sociedade ao afirmar que o homem é movido pelo inconsciente, que armazena o conjunto de fatos e processos psíquicos que dão origem às crenças e modelos.

Romper com crenças e modelos requer técnicas que permitem a análise e interpretação de atos injustificados, de impulsos e dos sonhos.

Este o propósito da psicanálise: conhecer os processos psíquicos inconscientes para desmistificá-los, livrando-o de crenças e modelos indesejáveis.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



O sentido da vida

A busca da Felicidade

Vida sem sentido, semente que não germina

Presente no passado e talvez com futuro

Agora tá ruim, mas no futuro

Depressão

O Invisível Concreto

Quem sou EU

Romper ou manter o relacionamento?

Para que e por que fazer análise?

Por que ele fez isso ?

Receita para ser feliz

Entre o Corpo e o Espírito

Angústia

Para que fazer Análise?

Discutindo a relação

As lembranças

Opinião e Palpite

Você é quem gostaria de ser?

Quem ama o feio, bonito lhe parece.

Por que rejeitamos a felicidade?

Mãe e filho

Por que vejo o mundo assim?

Doenças

O lado secreto da vida

Solidão

Por que tenho isso, Doutor?

As diferenças

A Morte

Sensações ruins

Vontade, desejo e felicidade.

O que é Psicanálise

Felicidade – Isso existe?

A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

Saia do buraco

Ano Novo – Tudo Velho

O que você quer?

As cracas da nossa vida

A vida que escolhemos

A Importância da família

Desejos

Doenças Psicossomáticas

O que é Análise Psicanalítica? Para que serve? Como atua?

A Mudança e a Decisão

Por que sou assim ?

Esclarecimentos sobre o tratamento psicanalítico.

A dor e a Psicanálise

Vou ser feliz e já volto

O carcereiro e o encarcerado