A Morte

A Morte

No inicio da humanidade a morte era uma CONSEQÜÊNCIA da vida. A maioria das pessoas morria em casa e eram veladas na sala de visitas, com direito a café e bolo. Morrer era uma natural conseqüência de estar vivo. O morto era enterrado e os vivos ficavam tristes, durante um tempo e depois a vida seguia.

A única morte que assustava, e hoje assusta mais ainda, era a morte violenta e esse tipo de morte se tornou fonte de riquezas. Uma grande indústria se dedica a ela, em especial a mídia. Em qualquer dia, hora e lugar só se propaga a morte violenta, que passou a ser tida como inevitável. Este modo de ver a morte criou outra mina de ouro inesgotável: se a morte está na esquina e provavelmente será violenta, vamos viver tudo o mais rapidamente possível, sem limites ou pudor.

Temos que TER tudo, amar loucamente, conhecer todos os prazeres, antes que uma bala perdida nos encontre.

Como não conseguimos tudo o QUE DIZEM que temos que ter, surge a ansiedade, a angustia e a frustração, QUE DIZEM, somente as drogas podem acalmar. Esse mal estar se torna tão presente que se instala no corpo: são as doenças psicossomáticas.

E por medo da morte, tornamos a vida insuportável. Permitimos que o OUTRO dite as condições da nossa vida. Rejeitamos relações que o OUTRO não aprovaria; levamos um tipo de vida que o OUTRO acha adequado; compramos coisas para que o OUTRO veja que as temos. Fazemos do OUTRO o instrumento da morte em nossa vida. Rejeite isso. Faça do outro um aliado, um companheiro de alegrias e felicidade. Tenha o que for necessário, nada mais. Trabalhe o que for suficientemente necessário, nada mais. Dispense a “rede social” e fortaleça a amizade na rua, na escola e no trabalho. Cultive o ócio produtivo. Leia. Jogue a TV no lixo.

Pesquise o que é Serendipidade.

Seja quem você gostaria de ser, fazendo o que lhe agrada, ao lado de quem te ama e a morte que se dane, pois não vai te encontrar encolhido e assustado, MAS FELIZ.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Agora tá ruim, mas no futuro

Depressão

O Invisível Concreto

Quem sou EU

Romper ou manter o relacionamento?

Para que e por que fazer análise?

Por que ele fez isso ?

Receita para ser feliz

Entre o Corpo e o Espírito

Angústia

Para que fazer Análise?

Discutindo a relação

As lembranças

Opinião e Palpite

Você é quem gostaria de ser?

Quem ama o feio, bonito lhe parece.

Por que rejeitamos a felicidade?

Mãe e filho

Por que vejo o mundo assim?

Doenças

O lado secreto da vida

Solidão

Por que tenho isso, Doutor?

As diferenças

A Morte

Sensações ruins

Vontade, desejo e felicidade.

O que é Psicanálise

Felicidade – Isso existe?

A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

Saia do buraco

Ano Novo – Tudo Velho

O que você quer?

As cracas da nossa vida

A vida que escolhemos

A Importância da família

Desejos

Doenças Psicossomáticas

O que é Análise Psicanalítica? Para que serve? Como atua?

A Mudança e a Decisão

Por que sou assim ?

Esclarecimentos sobre o tratamento psicanalítico.

A dor e a Psicanálise

Vou ser feliz e já volto

O carcereiro e o encarcerado