Angústia

Angústia

A tudo o que conhecemos, damos um nome e quando não conseguimos nomear, ficamos inseguros, nos sentimos estranhos, com medo. Uma sombra, um ruído ou cheiro que não nos é familiar ou agradável, nos deixa alertas porque como não conseguimos identificá-lo ou nomeá-lo, ficamos inseguros, primeiro passo dado em direção ao medo.

O mesmo se dá com os nossos sentimentos e nossas sensações. Ficamos desconfortáveis ao sentir necessidade de correr para o banheiro, mas isso não nos assusta, no entanto ao sentir uma “coisa estranha”, “sem mais nem menos”, brotando dentro de nós, ficamos inseguros, desconfiados, assustados.

“Coisa estranha” é o que não podemos nomear, definir e consequentemente, solucionar. Todos somos treinados para sermos objetivos com o que sentimos: “gosto dele porque é carinhoso…não gosto porque é ausente, etc.” e mesmo quando a “coisa estranha” está dentro de nós temos que a definir. Quando não conseguimos fazê-lo, atribuímos nomes que “estão por aí”, por exemplo, dizemos que estamos angustiados, deprimidos, ansiosos, sem saber exatamente o significado disso.

Afirma Freud que a angústia surge quando a criança fica sozinha, no escuro ou deixada com uma pessoa desconhecida, em uma situação que a deixa insegura. Se imagine vendo ou vivenciando uma situação totalmente estranha, anormal, tipo se deparando com alguém que você acredita que morreu!

Não sabendo lidar com a situação, e não tendo o arsenal de reações que um adulto tem, a criança tranca essa “coisa estranha” num cofre-forte chamado inconsciente.

Ao longo da vida, essa criança, agora adulta, vai passar por situações que a deixam insegura e aquela “coisa estranha” aprisionada no inconsciente vai vibrar, relembrando a experiência passada. E aquela energia se soma a nova, produzindo sintomas inexplicáveis, sem causa física. Como temos que nomeá-la, a chamamos de angústia, por exemplo, e aí, fica mais fácil para comprar drogas e para explicar aos outros. As drogas e o apoio recebido, em princípio diminuirão a intensidade dos sintomas, mas a energia vai continuar lá, vibrando, se manifestando.

Ao longo da vida é natural que situações que nos deixam inseguras tornem a ocorrer e os sintomas retornam, cada vez mais intensos, o que requer drogas mais poderosas. Resta como solução abrir o cofre forte para aquela “coisa estranha” evaporar.

Interessante que o que causou a “coisa estranha não exerce mais nenhum poder sobre nós e nos livrar “daquilo”, além de nos libertar é prazeroso.

Simples assim: abra o cofre forte e vire as costas ao passado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



O sentido da vida

A busca da Felicidade

Vida sem sentido, semente que não germina

Presente no passado e talvez com futuro

Agora tá ruim, mas no futuro

Depressão

O Invisível Concreto

Quem sou EU

Romper ou manter o relacionamento?

Para que e por que fazer análise?

Por que ele fez isso ?

Receita para ser feliz

Entre o Corpo e o Espírito

Angústia

Para que fazer Análise?

Discutindo a relação

As lembranças

Opinião e Palpite

Você é quem gostaria de ser?

Quem ama o feio, bonito lhe parece.

Por que rejeitamos a felicidade?

Mãe e filho

Por que vejo o mundo assim?

Doenças

O lado secreto da vida

Solidão

Por que tenho isso, Doutor?

As diferenças

A Morte

Sensações ruins

Vontade, desejo e felicidade.

O que é Psicanálise

Felicidade – Isso existe?

A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

Saia do buraco

Ano Novo – Tudo Velho

O que você quer?

As cracas da nossa vida

A vida que escolhemos

A Importância da família

Desejos

Doenças Psicossomáticas

O que é Análise Psicanalítica? Para que serve? Como atua?

A Mudança e a Decisão

Por que sou assim ?

Esclarecimentos sobre o tratamento psicanalítico.

A dor e a Psicanálise

Vou ser feliz e já volto

O carcereiro e o encarcerado