O Invisível Concreto

O Invisível Concreto

O objeto de estudo da Psicanálise é o Inconsciente que muitas vezes é associado a um iceberg, do tipo daquele que afundou o Titanic, que tinha uma pequena parte visível e uma enorme parte encoberta. Ou então é associado a um computador, que tem um pequeno número de peças visíveis, mas que é capaz de guardar milhões de informações simultaneamente.
Essas imagens do Inconsciente transmitem duas das suas maiores propriedades: a invisibilidade e a enorme capacidade de acumular emoções.
Como declarou Freud: o Homem não é o Senhor das suas próprias Razões. Ora, se o Homem se distingue dos demais Seres por ser racional e se essa racionalidade é comandada por algo não racional, estamos diante de um enorme problema!
Nem tanto, se conhecermos o Inconsciente e soubermos lidar com ele, percebendo que se ele não é racional tão pouco é irracional.
O racional trabalha com informações objetivas, aliando experiências a convenções e tradições do grupo social em que se vive. Um dia te disseram que aquela cor se chamava azul e você não só acreditou como passou a denomina-la assim. Mais tarde te disseram que em outros lugares o azul era chamado de blue ou bleu e você incorporou mais essa informação.
No Inconsciente guardamos emoções que foram desagradáveis e fortes demais para serem digeridas conscientemente, tais como aquela sensação de abandono causada por um ente muito querido, aquele ato de traição inesperado, aquele momento de vergonha, aquele período de desamparo.
Segundo a Psicanálise, essas emoções ficam arquivadas inconscientemente e agem silenciosa e fortemente sobre as nossas razões conscientes, interferindo nos nossos atos e expressões de sentimento.
Essa situação pode ser assemelhada a uma boia onde ancoramos o barco da nossa vida: protege-nos de tempestades, mas nos aprisiona e não nos deixa navegar.
Manter essas emoções guardadas também requer grande gasto de energia. É como se tivéssemos que manter fechada uma porta que algo estivesse querendo abrir.
Conhecer e liberar essas emoções arquivadas e reprimidas, nos libera da boia a que nos agarramos. Deixando de gastar energia para manter presas no inconsciente coisas que nos foram desagradáveis, passamos a ter mais energia para uma vida mais leve e prazeirosas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



O sentido da vida

A busca da Felicidade

Vida sem sentido, semente que não germina

Presente no passado e talvez com futuro

Agora tá ruim, mas no futuro

Depressão

O Invisível Concreto

Quem sou EU

Romper ou manter o relacionamento?

Para que e por que fazer análise?

Por que ele fez isso ?

Receita para ser feliz

Entre o Corpo e o Espírito

Angústia

Para que fazer Análise?

Discutindo a relação

As lembranças

Opinião e Palpite

Você é quem gostaria de ser?

Quem ama o feio, bonito lhe parece.

Por que rejeitamos a felicidade?

Mãe e filho

Por que vejo o mundo assim?

Doenças

O lado secreto da vida

Solidão

Por que tenho isso, Doutor?

As diferenças

A Morte

Sensações ruins

Vontade, desejo e felicidade.

O que é Psicanálise

Felicidade – Isso existe?

A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

Saia do buraco

Ano Novo – Tudo Velho

O que você quer?

As cracas da nossa vida

A vida que escolhemos

A Importância da família

Desejos

Doenças Psicossomáticas

O que é Análise Psicanalítica? Para que serve? Como atua?

A Mudança e a Decisão

Por que sou assim ?

Esclarecimentos sobre o tratamento psicanalítico.

A dor e a Psicanálise

Vou ser feliz e já volto

O carcereiro e o encarcerado