Vou ser feliz e já volto

Vou ser feliz e já volto

Este título é de uma música de Paulo Miklos, do Titãs, que deu uma entrevista para a Revista Trip, de novembro deste ano. O título é um belo exemplo de uma expressão simples, com intenso conteúdo! Basta dizer que há centenas de páginas na internet com o mesmo título.

Nesta entrevista, o Paulo relata as muitas perdas que teve: as mudanças na banda, a “briga” contra as drogas, a morte da mãe e da mulher, depois de um casamento de 30 anos. Depois de cada perda ele deu a volta por cima, transformando a perda em ganho.

E como ele conseguiu isso? Será ele um abençoado, um cara de sorte? Apesar de gostar muito das suas músicas, conheço pouco dele, mas pela entrevista, fiquei com a impressão de que ele “sublimou” através do trabalho.

Sublimar é transformar uma emoção em energia, “virando a mesa”. Se você tem uma perda, pode introjetar aquela emoção ruim e ficar triste e até mesmo desenvolver uma doença, ou, colocar aquela mágoa ou tristeza para fora e começar ou intensificar uma atividade, dedicando-se, por exemplo, ao estudo ou ao trabalho.

Mas como fazer isso? Como encontrar forças? PRINCIPALMENTE, COMO FAZER? Há algumas regras básicas:

1 – Se convença de que a perda é irremediável. Enquanto você acreditar que “a ficha dele vai cair”, “que ainda tem muito tempo para o Edital caducar”, você vai ficar patinando;

2 – O que você vai iniciar TEM que te DAR PRAZER, mas prazer para VOCÊ. Não importa o que seja ou quanto pareça difícil. TEM que ser uma “coisa” que VOCÊ goste. Se emprego público é estável, mas o sonho é ter uma padaria, seja padeiro…

3 – Não tenha escrúpulo em transformar aquele amor em raiva, tendo certeza de que você não vai para o inferno por causa disso. A raiva tem que ser tanta que vai te fazer emagrecer, estudar, ganhar dinheiro e, aaahhh, isso vai ser muito bom…

Agora só resta por em prática, mas é aí que a coisa empaca: E você pensa, será que ele não vai voltar mesmo?! Pô, eu não gosto de nada!! Não consigo tirar isso da minha cabeça…

Pronto, surgiu o conflito: Começo uma vida nova ou deixo como está, afinal tem gente que está bem pior! E é verdade! Mas essa é a diferença. Muitos passam pela vida, outros fazem a vida. É ruim passar pela vida? Não necessariamente, basta que te satisfaça!

Nesta época do ano a crença em Papai Noel e a ideia de uma vida nova ficam mais fortes, então você pode botar um sapato na janela ou correr atrás e comprar um sapato novo!

Quer a minha opinião? Faça as duas coisas!

Desejo que em 2014 você não precise de Psicanalista, Médico, Advogado, Plano de Saúde e acionar o seguro. Feliz Natal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



O sentido da vida

A busca da Felicidade

Vida sem sentido, semente que não germina

Presente no passado e talvez com futuro

Agora tá ruim, mas no futuro

Depressão

O Invisível Concreto

Quem sou EU

Romper ou manter o relacionamento?

Para que e por que fazer análise?

Por que ele fez isso ?

Receita para ser feliz

Entre o Corpo e o Espírito

Angústia

Para que fazer Análise?

Discutindo a relação

As lembranças

Opinião e Palpite

Você é quem gostaria de ser?

Quem ama o feio, bonito lhe parece.

Por que rejeitamos a felicidade?

Mãe e filho

Por que vejo o mundo assim?

Doenças

O lado secreto da vida

Solidão

Por que tenho isso, Doutor?

As diferenças

A Morte

Sensações ruins

Vontade, desejo e felicidade.

O que é Psicanálise

Felicidade – Isso existe?

A Bolsa de Valores de Chiawg-Xui

Saia do buraco

Ano Novo – Tudo Velho

O que você quer?

As cracas da nossa vida

A vida que escolhemos

A Importância da família

Desejos

Doenças Psicossomáticas

O que é Análise Psicanalítica? Para que serve? Como atua?

A Mudança e a Decisão

Por que sou assim ?

Esclarecimentos sobre o tratamento psicanalítico.

A dor e a Psicanálise

Vou ser feliz e já volto

O carcereiro e o encarcerado